Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

» Para receber os textos do Slow Food Brasil por email, basta você cadastrar seu endereço:


Acompanhe também via: Slow Food Brasil via RSSSlow Food Brasil no TwitterSlow Food Brasil no Facebook

frutasPor milhares de anos, comíamos principalmente alimentos frescos. A dieta era diversificada, com adequação aos biomas locais e à sazonalidade. Eram, então, características: a inexistência ou indisponibilidade de sal e açúcar; alto desempenho de atividade física; baixa disponibilidade de alimentos; apropriação gradativa e cumulativa de possibilidades alimentares ambientais locais; produção de alimentos pautada no autoconsumo; busca continuada e desenvolvimento de domínio sobre conhecimentos acerca de formas de obter e preparar alimentos; emprego de condimentos naturais como saborificadores, conservantes e curadores. Assim conformou-se o corpo deste que hoje denominamos ser humano, com reflexos no desenvolvimento de sua inteligência e matriz metabólica, inclusive.

la-lechera-vermeerDe um tempo em que não haviam rotas para recolhimento de leite a ser comercializado distante do local de produção ou refrigeradores para conservá-lo (e, claro, em que tampouco se adicionavam produtos químicos para obter um maior tempo de vida útil do produto), herdamos os queijos e doces de leite.

No artigo Os doces de leite na América Latina, Esther Katz oferece um quadro que, ao mesmo tempo em que oportuniza perceber que podemos encontrar por todo o continente o doce produzido a base de leite e açúcar, evidencia que, em cada canto desta nossa América, temos diferentes doces de leite, numa diversidade que corresponde à multiplicidade de saberes dos povos, que cultivam a terra, criam seus rebanhos, ordenham seus animais e transformam o leite em comida em forma de doce. Que delícia!

dulce-de-leche.jpgOs doces de leite não são exclusividade do Brasil, Uruguai ou Argentina. Em todos os países da América Latina, encontram-se variedades de doce de leite, com nomes diversos. Em países em que se fala espanhol, dulce de leche é o nome mais comum, mas também é conhecido como manjar blanco no Chile, Peru, Equador, Colômbia e Panamá - e, nesse último, também como bién-me-sabe; cajeta no México e na América Central; jamoncillo no México; arequipe na Colômbia; leche de burra em El Salvador e na Nicarágua.

Torrando a farinha. Foto: Marcia RiedererMovidos pela vontade de recuperar hábitos, costumes e alimentos que estão se perdendo no caminho de nossa globalização, em um sábado ensolarado nos juntamos no Engenho dos Andrade, para a farinhada - 1º Encontro do Convivium Slow Food Engenho de Farinha (Florianópolis/Brasil). Durante a semana foram necessários muitos preparativos, ver quem tinha a mandioca, busca-la, organizar as compras para o jantar, quem busca as mesas na igreja, ver como seria a participação de cada um, organizar o transporte para que os produtores de outros municípios pudessem participar dessa grande festa, enfim... nada que um grupo unido e animado não resolvesse com muita facilidade!

Puebla - México, novembro de 2007 

Numa linda e surpreendente cidade-museu, Puebla, aconteceu um encontro memorável!

Continuando com o foco no BOM, LIMPO e JUSTO , cá estão algumas coisas que me chamaram a atenção durante as sessões do encontro:

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s