Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Como nasceu e o que pretende o projeto do Slow Food que chama atenção para os produtos tradicionais em risco de extinção.

Arca do Gosto - Revista Prazeres da Mesa

O projeto da Arca do Gosto nasceu há alguns anos à mesa do jantar. Onde mais poderia nascer? Estávamos, um grupo de colegas do Slow Food e eu, jantando num dos melhores restaurantes do Piemonte, o Guido di Costigliole, localizado em um belíssimo prédio neogótico do século XIX, em Pollenzo, na Itália. O restaurante é conhecido pela cozinha escrupulosamente piemontesa e pelo cuidado meticuloso com que escolhe as matérias-primas. Um dos pratos mais famosos era, e continua sendo, o pimentão recheado. Trata-se de um rolinho de pimentão, cozido ao forno, recheado com creme de atum, alcaparras, anchovas e outros ingredientes. O segredo do prato, aparentemente muito simples, está no sabor doce e na textura do pimentão.

Na caatinga baiana, umbu vira doce, geleia, compota e vinagre, que vira refresco, mistura com pimenta ou vai no leite de cabra, que vira, por sua vez, umbuzada.

Umbu no pé

A Bahia ainda brilhava de purpurina na sexta pós-carnaval quando começou outra festa, o Festival do Umbu, em Uauá, na região de Canudos, caatinga baiana. 

Cestas de umbu verde, mas suculento e crocante como uva, para comer inteiro, só deixando de lado as sementes, passavam para lá e para cá. Já madura, a fruta ganha tons de amarelo ou vermelho, a pele fica mais firme e pode ser separada na boca, e a polpa é doce, ácida e perfumada. 

Texto de Luiza Fecarotta - Enviada especial da Folha de S.Paulo a Fortaleza

Cinco variedades de queijo de leite cru, de Minas Gerais, sobre bancada de madeira (Foto: Douglas Lambert/Folhapress)

Os queijos artesanais brasileiros, preparados com leite cru, estão em risco de extinção.

Essa é a opinião de produtores, acadêmicos e associações sem fins lucrativos, que estiveram reunidos na última semana em Fortaleza, no primeiro Simpósio de Queijos Artesanais do Brasil.

Um objetivo comum os uniu ali, por três dias de palestras, debates e discussões: preservar os processos seculares de produção desses queijos, que carregam, em si, valores culturais e históricos.

"É mais que um alimento, é uma expressão profunda da nossa forma de vida", disse Kátia Karan, do movimento Slow Food (a favor da pequena produção camponesa).

Não importa se o queijo é feito no Rio Grande do Sul, nas serras de Minas Gerais ou no agreste pernambucano.

Todos são de "terroir", ou seja, estão relacionados ao clima, à pastagem e ao tipo de bactérias de cada região.

São feitos em pequena escala com leite cru (não pasteurizado), em propriedades familiares, de receitas tradicionais -o saber fazer passa de geração para geração.

Foto: Kunal Chandra/Divulgação

Leilão em Gênova. No Slow Fish, a caixa de sardinha era oferecida a 2 euros; a bandeira deste ano foi a defesa dos pescadores (Foto: Kunal Chandra/Divulgação)

Na ensolarada tarde de sábado, 27 de maio, um pescador animava o píer em frente ao pavilhão Fiera di Genova oferecendo seus produtos: "Dois euros pela caixa de sardinha. Quem vai querer a lula? Olha, que está acabando". O pequeno leilão de peixes fresquíssimos improvisado ao ar livre, à beira do mar da Ligúria, não falhou uma única vez durante o encontro do Slow Fish, na cidade italiana de Gênova, entre os dias 27 e 30 de maio.

O Paladar participou dessa quinta edição do evento organizado a cada dois anos pelo Slow Food com os peixes como tema. Neste ano, a atenção de participantes do mundo todo se voltou para uma outra espécie em extinção: os pequenos pescadores.

Representados por cooperativas de várias regiões da costa italiana, os pescadores estavam ali para confirmar que vivem tempos difíceis. São uma espécie ameaçada, vítima da superexploração dos recursos do mar por pesqueiros industriais, que estão esgotando os estoques de peixe, especialmente perto da costa, onde os pescadores atuam com seus barcos.

Ao celebrar os pequenos pescadores, o Slow Fish acabou fisgando um peixe grande: pela primeira vez, a mais alta representante europeia para assuntos marítimos e da pesca compareceu. Ao lado de Carlo Petrini, fundador do Slow Food, a comissária Maria Damanaki foi enfática: "Podemos mudar a forma como comemos, mas precisamos é mudar a forma como pescamos".

Durante o encontro houve mais de 50 atividades diárias, entre documentários, workshops, degustações e palestras. Foi fácil se deixar levar no meio de tantas coisas interessantes para ver e provar. Pescado siciliano, peixes defumados irlandeses pareados com uísque e cerveja. Histórias narradas por pescadores gregos da Trácia. Degustação de peixe às cegas. Não dava para perder nada. E fora das salas, na feira, havia incontáveis espécies de peixe e frutos do mar para provar.

Quem visitou o Slow Fish neste ano saiu da Fiera di Genova com a certeza de que há muito peixe diferente no mar. E que é possível ser sustentável a partir de gestos simples, como estar aberto às novidades e escolher o peixinho esquisito, mas saboroso, que está na época.

Com grande apelo político, o encontro deste ano reforçou o compromisso dos pescadores, palestrantes e visitantes de lutar por uma mudança drástica na legislação pesqueira. Só a partir dela é que se garantirá que quando um pescador jogar seu anzol no mar, terá a certeza de que poderá levar para casa a refeição do dia.

>> Veja também: Fim da linha, na ponta do anzol


Texto de Cíntia Bertolino publicado no Paladar, caderno do jornal Estado de São Paulo em 8/6/2011

 

 

Documentário 'The End of The Line', do jornalista e escritor inglês Charles Clover, foi um dos pontos altos do encontro do Slow Fish

A exibição do documentário The End of The Line, do jornalista e escritor inglês Charles Clover, foi um dos pontos altos do encontro do Slow Fish. Editor de Ambiente do jornal inglês The Daily Telegraph por duas décadas, nos anos 90 Clover começou a investigar o impacto da pesca industrial. O trabalho deu origem ao livro The End of the Line (Ebury Press, 2004), que há dois anos virou filme.

O documentário levanta questões sobrepondo informações alarmantes e o retrato de enormes navios de pesca às belas imagens de cardumes no azul profundo. Fornece provas e números do colapso da vida marinha.

"A ideia não é forçar as pessoas a parar de comer peixe, ao contrário, é exigir um controle para a pesca desenfreada que está acabando com espécies", disse Clover ao Paladar, pouco antes de participar do lançamento italiano do filme no Slow Fish.

Criador também do site www.fish2fork.com - que aponta restaurantes ingleses que servem peixes sustentáveis e os que estão na contramão e avalia os lugares com "espinhas vermelhas" -, Clover alerta para o desperdício que envolve a pesca: metade do que se pesca no Atlântico Norte é jogado de volta ao mar, sem vida. Em números: 1.3 milhão de tonelada de peixes.

O documentarista compara o consumo de atum bluefin, ameaçado de extinção, a um hipotético sushi feito com carne de urso panda. E aponta o dedo para chefs-celebridades que continuam oferecendo espécies ameaçadas, caso de Nobu, classificado com a cotação máxima de 5 espinhas vermelhas.

"Precisamos de mais chefs como o inglês Hugh Fearnley-Whittingstall, que comanda a campanha Fish Fight, contra o desperdício e a favor da nova legislação para a pesca", diz. Fearnley-Whittingstall conta que começou a campanha depois de ver The End of the Line.

>> Veja também: Devagar com a rede, o peixe é fraco


Texto de Cíntia Bertolino publicado no Paladar, caderno do jornal Estado de São Paulo em 8/6/2011

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s