Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

 COZINHA MÃE materializa as interações da Revolução dos Baldinhos na rede Slow Food Brasil 

IMG 2264 Inauguração da Cozinha Mãe, outubro de 2018. Foto Sandra Alves. 

No movimento Slow Food a cozinha é a mãe da revolução. Já  o mais novo espaço comunitário da Chico Mendes, periferia de Florianópolis, foi batizado por suas idealizadoras de Cozinha Mãe. Inaugurada em outubro deste ano por lideranças femininas da Revolução dos Baldinhos e com o apoio de ativistas do Slow Food, a cozinha comunitária surgiu ocupando um local abandonado do Conjunto Habitacional Chico Mendes que seria de moradias populares. A ocupação foi pensada para fechar o ciclo da alimentação, complementando ações em compostagem e agricultura urbana que tornaram o Projeto uma referência nacional.

por Gabriella Pieroni - ativista do Levante Slow Food Brasil

O caldeirão das redes sociais do Slow Food Brasil entrou em ebulição esta semana, seguindo os ânimos dos brasileiros que vivem uns dos mais acirrados e violentos processos eleitorais de sua história. Neste revolver de águas e terras no Brasil, o posicionamento em relação ao segundo turno das eleições se fez urgente aos movimentos ativistas, com maiores ou menores graus de divergências internas, apesar de terem sido todos recentemente ameaçados de extinção por um candidato que estimula crimes contra a humanidade e busca legitimidade através do voto.

Na rede Slow Food Brasil muitas destas divergências se pronunciam, fruto de uma positiva amplitude e heterogeneidade de seus membros e organizações. Elas são utilizadas como oportunidades de crescimento e de consolidação de um árduo trabalho coletivo e de politização da rede, que atualmente demonstra sua maturidade, torna o movimento mais ativo e se contrapõe ao vazio do debate eleitoral que oprime o país neste momento.

Querida rede Slow Food Brasil,

Frente ao resultado das eleições deste 1o turno e à polarização política em que nos encontramos, com o crescimento de discursos de ódio, violência e intolerância, e diante do debate que emerge em nossos canais de comunicação, se faz necessária e urgente nossa manifestação.

Vivemos um momento crítico, de sério risco à democracia. Enquanto ativistas por uma agricultura de bases agroecológicas e pelo reconhecimento e valorização da cultura alimentar dos povos e seus territórios, entendemos o ato de comer como um ato político. A busca coletiva pelo alimento bom, limpo e justo para todos só é possível de se realizar num Estado Democrático de Direito, por meio do diálogo com os mais diversos setores da sociedade e pela construção de políticas públicas que reconheça e valorize as nossas sociobiodiversidades.

Nos dois últimos anos foram notáveis os numerosos retrocessos nas políticas públicas para a agricultura familiar em nosso país, como o corte brutal no orçamento do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), do PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) e o avanço de projetos de lei que flexibilizam a regulamentação de agrotóxicos.

WhatsApp Image 2018 09 27 at 20.42.15

 

Comer é um ato político e a alimentação deve ser prioritária nas plataformas eleitorais de 2018! Na última quinta-feira, dia 27/09 a Rede Slow Food Brasil, membro da Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável realizou em Florianópoils o evento "Candidato, o que tem no seu prato?" em parceria com o Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional de SC ( Consea-SC) e Fórum Catarinese de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos (FCCIAT) numa bela articulação que reinvindiou maior atenção às das pautas ligadas à agroecologia e alimentação nas eleições 2018.  

Dona Dijé

Recebemos esta manhã a triste e inesperada notícia do falecimento de dona Dijé, Maria de Jesus Ferreira Bringelo, liderança do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu - MIQCB.

Mãe, avó, liderança comunitária, quebradeira de coco, artista, dona Dijé foi e continuará sendo um referencial para a luta das comunidades tradicionais e originárias, inspiração de vida para muitos que levam a vida no campo sob o olhar da agroecologia.

Levou a realidade e o exemplo das Quebradeiras de Coco Babaçu pelo mundo, com seus exemplos de luta, fala e cultura, compondo o grupo das Encantadeiras de Coco Babaçu.  Mostrou sua voz e força no Terra Madre Brasil 2007, em Brasília, e no Terra Madre 2008, em Turim. Nesse momento, o Slow Food Brasil e o Slow Food Internacional prestam condolências ao Quilombo Monte Alegre, em São Luís Gonzaga (MA), à Comunidade do Alimento Quebradeiras de Coco Babaçu da Comunidade Ludovico, Lago do Junco (MA), ao MIQCB, à ASSEMA (Associação em Áreas de Assentamentos do Estado do Maranhão) e à todas as Quebradeiras de Coco Babaçu e suas famílias.

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s