Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

overfishing-overview-08022012-WEB 109842

O uso de redes de arrasto é uma das técnicas mais difundidas no setor pesqueiro ao redor do mundo, porém, um novo estudo liderado por pesquisadores da Universidade Politécnica de Marche (Itália) concluiu que a prática representa uma ameaça enorme, e de longa duração, para o ecossistema do assoalho marinho em escala mundial. Isto acontece porque as redes deste tipo de pesca, que geralmente busca espécies que vivem próximas ao fundo, como bacalhau, lula e camarão, são puxadas a uma velocidade que carrega praticamente tudo o que estiver na sua frente, não apenas matando espécies que não são alvo da pesca como destruindo o fundo marinho.


Segundo Pere Puig, pesquisador do Instituto de Ciências Marinhas,“o arrasto do equipamento no assoalho marinho levanta e remove partículas finas do sedimento, além colocar em suspensão organismos pequenos que vivem no sedimento e constituem a base da cadeia alimentar nestas profundidades”.

O estudo, publicado no periódico "Proceedings of the National Academy of Sciences – PNAS", comparou uma área sem a prática do arrasto e outra onde as redes são utilizadas. Os pesquisadores mostram que, em áreas cronicamente utilizadas para o arrasto ao longo do talude continental – porção do fundo marinho com declive muito pronunciado que fica entre a plataforma e a margem continental – no noroeste do Mar Mediterrâneo, há uma perda significativa de matéria orgânica (até 52%) e de biodiversidade (50%).

Eles estimam que o carbono orgânico removido diariamente pela pesca de arrasto na região representa entre 60% e 100% do fluxo de entrada. Tal impacto está causando a degradação de habitats sedimentares em grandes profundidades e a depauperação da fauna, conclui o estudo.

“O arrasto intensivo e crônico do fundo deve transformar grandes porções do talude continental profundo em desertos de fauna e paisagens marinhas altamente degradadas”, alertam os pesquisadores. “Estas conclusões apoiam a demanda por ações imediatas para uma gestão sustentável da pesca em ambientes profundos”, ressaltam.

A prática da pesca de arrasto se tornou altamente utilizada no final do século 19 e atualmente, com a depauperação dos estoques pesqueiros na costa, se expande, abrangendo cada vez áreas mais profundas do oceano.

Saiba mais e apoie a campanha Slow Fish Brasil, em favor da pesca artesanal e biodiversidade marinha local.

Assista o vídeo : O Oceano e entenda mais sobre a Pesca de Arrasto.

 

Texto: Mater Natura - Instituto de Estudos Ambientais

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s