Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Estamos vivendo um momento crucial para o rumo da produção e consumo de alimentos. Em que pese o processo que torna paulatinamente qualquer coisa em mercadoria (a natureza, a água, as ideias), este mesmo movimento abre espaços para a valorização, via mercados, de características distintivas dos alimentos: a originalidade, o cuidado, o sabor, os traços culturais, a tradição e a relação com a sustentabilidade ambiental.

 

Estudos recentes têm demonstrado duas versões sobre o fenômeno do consumo nas sociedades contemporâneas e que são possivelmente complementares. Alguns sustentam que consumo é o ápice da ação alienada, espaço da realização individual e egocêntrica de um “cidadão” que age para obter prazeres ditos consumistas. Outros, com interpretações mais otimistas, apontam que é possível ver transformações relevantes para as quais grupos coletivos conseguem ter sucesso ao “pressionar” produtores a modificarem processos de produção e criar demandas por atributos considerados valiosos, especialmente quando se trata de alimentos: qualidade, pureza, sabor, originalidade (Portilho, Castaneda, 2012). Embora se reconheça que este ainda é um consumidor escasso ou minoritário, conforme mostra Guivant (2003), atualmente seu potencial político não pode ser menosprezado.

Quais aspectos estão em questão para estes consumidores ativos e engajados e qual a importância de seus argumentos para modificações das práticas produtivas? Um dos fenômenos de destaque quando se observam mudanças nos padrões de consumo diz respeito aos alimentos ecológicos. Portanto, o que dizem consumidores de alimentos ecológicos sobre o que desejam e que características aparecem como essenciais para eles?

As informações sobre preferências e gostos de consumidores que analisamos a seguir são oriundas de uma pesquisa de caráter antropológico realizada por um dos autores entre 2008 e 2009 no município de Chapecó, estado de Santa Catarina (Radomsky, 2010). Na época, como estratégia metodológica, optou-se por acompanhar a construção de uma organização de consumidores de alimentos ecológicos da região cujo objetivo era tornar a oferta de produtos mais ampla no meio urbano e simultaneamente criar mercados para agricultores familiares locais.

O grupo organizou-se em torno de professores e alunos (e seus amigos) de uma universidade comunitária de Chapecó e possuía um núcleo expressivamente engajado que contava com cerca de doze pessoas. Embora pequeno em número, a mobilização era intensa: eram conhecidos dos agricultores e mediadores de sindicatos rurais, cooperativas e da Prefeitura e conseguiram organizar diversos eventos de compras coletivas de alimentos exclusivamente ecológicos, que chegaram a contar com mais de quarenta pedidos.

Percebe-se que um dos argumentos mais fortes de mobilização das práticas de consumo está na qualidade. Porém, não se trata de uma característica isolada como se para o grupo bastasse uma qualidade sem atributos e que não espelhasse elementos da sociedade em que vivemos. Como gostam os antropólogos, valorizaremos as falas das pessoas participantes do grupo, que na época nos brindaram com frases admiráveis.

Um dos “riscos” das compras coletivas – sempre debatidas no coletivo – residia na perda da qualidade dos alimentos que ficassem armazenados durante muito tempo. Isto equivaleria a comprar em supermercados e um dos participantes esclareceu para os demais participantes: “é preciso distinguir mercadorias de alimentos; alimento é uma coisa, outra coisa é sucata alimentar. Mercadoria é feita pra durar na prateleira do supermercado. [...] Até as crianças sabem o que é bom e o que é ruim nos produtos”. Observamos que, mesmo sem verbalizar desse modo, alimento é entendido como dádiva. Em sua percepção, mercadoria é necessariamente ruim, sucata, pois é produção em massa apenas para que possa permanecer com bom aspecto nas prateleiras de supermercados. O aspecto físico do produto-alimento conta menos que sua essência intrínseca. Com alguma ironia, a “sucata alimentar” parece ser uma imagem do mundo em que vivemos em que ela se tornou comum e com objetivo mais eminente de durar na prateleira do que de ser um bem saboroso e fonte de energia.

Em outro momento, a mesma pessoa procurou mostrar como comida não pode ser pensada sem que os atributos culturais estejam igualmente implicados. Diz ele: “temos que resgatar aquele saber, aquele conhecimento desinteressado. Antes o agricultor fazia o vinho para tomar e se ele fosse te vender ele ia na pipa pegar. O salame a gente quer agora, mas tem que preparar e avisar o agricultor”, sublinhando que os produtos demandados pelos consumidores são resultado de um processo de cultivo, criação e trabalho da família. Segue dizendo que “não é qualquer salame. Daí ele [o agricultor] tem que criar o porco, alimentar sem milho híbrido, fazer o salame com a tripa do porco invertida, queremos aquele salame que ficou famoso. Depois o agricultor tem que deixar o produto na fumaça para as moscas não colocarem ovos. E o controle da qualidade? É no cheiro”, gesticulando com os dedos próximos ao nariz enquanto falava, “é assim que eu compro salame”, concluiu.

Este conjunto de características dos alimentos e também dos agricultores que os produzem fornece um sentimento de autenticidade e pureza para o consumidor (o estudo de Pratt, 2007, é exemplar neste sentido). O que aparece na fala é exatamente o que algumas pesquisas mostram sobre a importância da biodiversidade agrícola e dos conhecimentos tradicionais para a produção de alimentos, nos quais a interpelação se direciona para o agricultor trabalhar a favor de uma espécie vegetal (no caso, milho) de variedade local e valorizar o conhecimento que utiliza os sentidos, vale-se dos objetos antigos e dos processos característicos da agricultura camponesa (aproveitando as matérias primas desenvolvidas na propriedade rural). O pertencimento, que nos impele a refletir sobre seu caráter cultural, adquire o caráter relacional, tal como argumentam Heley e Jones (2012), pois é aquele saber que não aparece em outro contexto e tem na experiência sua autenticidade.

Na reunião seguinte, ainda durante nossa pesquisa, ocorre uma instigante conversa sobre os valores. “É, hoje até o paladar foi monetarizado...” fala livremente um dos membros do grupo. “Se tudo está monetarizado”, responde um deles, “temos que usar o dinheiro para valorizar e fortalecer a agroecologia. Temos que ter produtos com valores agregados (salames, queijos, vinhos) para que os de menor preço venham junto [nas compras coletivas, para tornar mais atraente para o agricultor]...”. O primeiro voltou a comentar algo, mas desviando um pouco do assunto, embora sem discordar. E segue o segundo corrigindo sua própria frase, falando ainda do dinheiro e sua relação com a agricultura ecológica: “Valor agregado não, preço agregado, pois são os valores morais que vêm agregados”.

Estamos vivendo um momento crucial para o rumo da produção e consumo de alimentos. Em que pese o processo que torna paulatinamente qualquer coisa em mercadoria (a natureza, a água, as ideias), este mesmo movimento abre espaços para a valorização, via mercados, de características distintivas dos alimentos: a originalidade, o cuidado, o sabor, os traços culturais, a tradição e a relação com a sustentabilidade ambiental.

Este tipo de consumidor, como antes dissemos, é ainda pouco comum, mas tem tido importante papel na politização das atividades econômicas (DuPuis e Goodman, 2005). Percebe-se a crítica à economia capitalista que, de certa forma, sugere um tipo expansivo de aquisição de mercadorias ao tentar suprir o mercado por meio da produção em massa. Com isto, testemunhamos a extração e o uso de recursos naturais sem o cuidado de recomposição e que tem como um dos efeitos a poluição do solo, do ar e dos cursos d’água.         

O consumo de alimentos ecológicos se insere em uma distinta lógica de valores em que se destaca a importância do modo como foi produzido, levando em consideração uma maior harmonia com o ambiente e amparado no contexto sociocultural.

Um aspecto essencial das práticas de consumo de alimentos ecológicos por meio de grupos organizados é que o fenômeno faz necessária a reconstituição das relações de proximidade entre agricultores e consumidores, ensejando formas distintas da percepção sobre alimentos, cooperação e mercados.

Assim, o consumo de produtos agroecológicos, mesmo que ainda de maneira tímida, vem se colocando para o debate atual sobre alimentação e cultura como questionador das práticas habituais de consumo. Diferente do produto massificado vislumbrado como mera mercadoria, quando os consumidores ecológicos se relacionam com o alimento de maneira mais próxima (e até emotiva) desempenham papel crucial para subverter as tão desgastadas relações econômicas impessoais em nossas sociedades.


Referências

DUPUIS, E. M.; GOODMAN, D. Should we go ‘‘home’’ to eat? toward a reflexive politics of localism. Journal of Rural Studies, v. 21, n. 3, p. 359–371, 2005.

GUIVANT, J. Os supermercados na oferta de alimentos orgânicos: apelando ao estilo de vida ego-trip. Ambiente e Sociedade, v. 6, n. 2, p. 63-81, 2003.

HELEY, J.; JONES, L. Relational rurals: some thoughts on relating things and theory in rural studies. Journal of Rural Studies, v. 28, p. 208-217, 2012.

PORTILHO, F.; CASTANEDA, M. Certificação e confiança face-a-face em feiras de produtos orgânicos. Revista de Economia Agrícola, v. 58, p. 11-21, 2012.

PRATT, J. Food values: the local and the authentic. Critique of Anthropology, v. 27, n. 3, p. 285-300, 2007.

RADOMSKY, G. F. W. Certificação participativa e regimes de propriedade intelectual. 2010. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.


* Guilherme F. W. Radomsky é Professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul,  Michele L. Lima Ávila é acadêmica do Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Bolsista PIBIC/CNPq,  Daniela Lesina Soares é acadêmica do Curso de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s