• Um peixe vendido a um preço justo: acessível para o consumidor, mas também em condições de garantir o pagamento justo para os pescadores.
  • O peixe capturado pelos pescadores artesanais e honestos. Temos de ajudá-los a manter o setor sustentável e resistir à pressão da pesca industrial e pirata.
  • Os peixes que não tenham sido submetidos a práticas cruéis, tais como o corte de uma barbatana de tubarão que vem em seguida jogado de volta à água.

Atualmente é muito difícil para o consumidor avaliar o aspecto ético de um produto como o pescado.

Provavelmente, no futuro, um sistema mais eficiente de rastreabilidade e maior transparência nos ajudará a nos informarmos melhor. Conhecer e escolher a origem do peixe que consumimos (local de origem, técnicas de pesca ou cultivo) nos permitirá não somente garantir a sobrevivência das espécies, mas também boicotar práticas questionáveis, como a pesca excessiva de navios estrangeiros nas águas que deveriam estar fornecendo diariamente alimentos para populações inteiras, como está acontecendo ao longo da costa da África ocidental.