Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Organizam-se na forma da Associação da Comunidade Remanescente de Quilombolas de Tartarugueiro (ARQT). A comunidade foi formada por remanescentes escravos da região do Maranhão e também do próprio Marajó, por isso hoje é reconhecidamente quilombola e tem um histórico baseado nas lutas pelo direito à terra e de garantia de direitos básicos para a sobrevivência de seus moradores. Assim, por questões históricas, a comunidade viveu isolada e sem contato com centros urbanos, mesmo que fossem próximos.

É muito conhecida na região pela existência de vastos bacurizais. O bacuri, fruto nativo da região amazônica e em especial nessa região do Marajó, é muito apreciado pela população paraense e tem ligação muito forte com a cultura local. Para os moradores do Tartarugueiro, os bacurizais têm um significado especial, pois são pontos distribuídos pelo meio da floresta. Não são todos os moradores que sabem onde está cada bacurizal, e essas informações são passadas de pai para filho, construindo uma relação familiar forte, baseada no ambiente natural com o qual os moradores têm grande identidade. A coleta dos bacuris, então, é uma atividade de interação familiar, em que as crianças aprendem a importância do ambiente, além de aprender também várias canções tradicionais criadas por seus antepassados. É a mistura entre a floresta e a vida cotidiana das pessoas que conservam esse local.

As atividades dessa Comunidade estão baseadas no extrativismo do bacuri e também do açaí, na pesca artesanal e na produção de farinha de mandioca. Para que os recursos não se acabem indefinidamente, os moradores formaram regulamentos internos para regerem as ações de todos, proibindo a retirada de madeira de lei e também a caça abusiva. Dessa forma, o bacuri é de origem extrativista, sendo comercializado in natura e sem processamento. A Comunidade, até o momento, trabalha somente a colheita dos frutos. Os bacurizais estão há cerca de 3 quilômetros da vila central de moradores e o seu uso é coletivo.

Atualmente, existe uma preocupação grande no que se refere à transferência das tradições antigas aos mais jovens. Alguns jovens buscam o resgate dessas tradições, e muito passa pelo resgate da cultura alimentar local.

 

Estado/Região/Território: Pará/Região Norte

Municípios: Ponta de Pedras - Ilha do Marajó

Referência da Comunidade: Jully Vanessa Miranda dos Santos - (91) 980154014 - jullygeo21@gmail.com

 

Esta Comunidade do Alimento foi incluída na rede Slow Food pelo projeto:

logo projeto completa

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s