Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Organizam-se na forma da Central de Cooperativas dos Cajucultores do Estado do Piauí (Cocajupi). O estado do Piauí é um dos principais produtores de caju do Brasil, apresentando elevada produtividade por safra de caju, além de ter esse fruto como um símbolo e tradição regional.

A Cocajupi - Central de Cooperativas dos Cajucultores do Estado do Piauí – foi fundada em 2005 e desde então vem promovendo meios para melhorias no cultivo, através de revitalizações no pomar e capacitação, além de oferecer maquinários aos produtores e realizar o beneficiamento da castanha e do caju. Por conta da efetividade do trabalho realizado pela cooperativa, foi possível estabelecer importantes parcerias com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o governo estadual.

A castanha de caju é o fruto do caju, por isso a atividade pode ser tanto extrativista (pequenos produtores) como pode ter maior intervenção humana, com a utilização de insumos, correção de solos, dentre outros. A colheita da castanha de caju ocorre no mesmo período da safra do caju, onde o fruto e o pseudofruto são arrancados manualmente.

Após coletada, a castanha de caju é seca, torrada e despeliculada, processo que retira a película que envolve o caju, então a castanha já está pronta para o consumo. Devido ao elevado valor de mercado, a castanha de caju passou a ser comercializada em sua forma industrializada, podendo ocorrer um processo de salgamento. Por fim o produto é embalado e enviado aos mercados consumidores. Todos os processos realizados para o consumo da castanha de caju priorizam que as propriedades naturais sejam preservadas, podendo ser exportada ou consumida no mercado interno.

A produção de castanha de caju, caju e derivados estão intimamente ligados à cultura do povo nordestino, em especial aos produtores piauienses, que tem nesses produtos, além de fonte de renda, uma maneira de integração social, haja vista que o consumo de castanha de caju e cajuína (bebida feita a partir do pseudofruto) estão associados a comemorações e reuniões familiares. Por isso, a castanha de caju cria um elo entre o prato e o consumidor, reforçando o prazer da alimentação.A organização dos produtores enquanto cooperativa garante que haja justiça nas relações trabalhistas e equalização da distribuição dos rendimentos entre os agentes envolvidos. Com maior poder de mercado, as comunidades conseguem inserir o produto em outras regiões, melhorando a remuneração do produtor. Mesmo quando não organizados em cooperativa, a castanha de caju tem importante papel na composição da renda dessas famílias devido ao elevado valor de mercado, garantindo que os produtores tenham uma vida digna, baseada na solidariedade entre as famílias, além de respeitar e preservar esse típico alimento da cultura nordestina.

 

Estado/Região/Território: Piauí/Região Nordeste

Municípios: Picos

Referência da Comunidade:  Jocibel Bezerra, (89) 3422-0144 / (89) 98119-3344, cocajupicomercial@gmail.com; jocibelbelchior@gmail.com

 

Esta Comunidade do Alimento foi atualizada pelo projeto:

 

logo projeto completa

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s