Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Na Comunidade foram criadas cinco associações para gerar representatividade e são elas: Associação dos Agricultores do Povoado Chapada Limpa 1; Associação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Povoado Chapada Limpa 2; Associação dos Trabalhadores Rurais do Povoado Jussaral; Associação dos Trabalhadores Rurais do Povoado São Gabriel e Associação dos Trabalhadores Rurais do Povoado Santana. Cerca de 204 famílias que residem na reserva extrativista (Resex), onde 92 famílias trabalham efetivamente com a coleta do bacuri.

As famílias vivem da economia e da cultura dos roçados de mandioca, milho, feijão e arroz; do extrativismo do bacuri, da jussara, do babaçu, do buriti, da bacaba; e da criação doméstica de porcos,  galinhas e gado. Na região, há áreas de uso coletivo e áreas privadas que são frutos de herança. O babaçu, o buriti, a jussara e a bacaba, tem grande ocorrência, mas pela falta de compradores não se constituiu ainda numa atividade monetária significativa. Sua importância é de aprovisionamento. É  importante na cultura e na segurança alimentar das famílias.

A Resex foi criada para sanar conflitos agrários entre proprietários e investidores do agronegócio da soja. O resultado foi a expulsão dos proprietários e a mudança de cultivo na região para cultura do bacuri, o que acabou vinculando-o como símbolo da Resex.

A coleta do bacuri se dá nas chapadas, com safra de janeiro a abril e com pico da produção em fevereiro e março. Envolve todos os membros das famílias, com maior incentivo aos jovens. Os frutos coletados são armazenados nas casas até a chegada dos compradores.  O extrativismo do bacuri nativo, é realizado em áreas de uso coletivo. Os frutos são selecionados, separados em duas classes de tamanho e posteriormente armazenados armazenados nas casas.  São vendidos in natura e algumas famílias quebram os frutos, tiram a polpa e a armazenam em freezers ou congelador da geladeira. Algumas poucas fabricam sorvete de bacuri em suas casas.

Está sendo iniciado o manejo das chapadas para produção de bacuri e conservação ambiental, com a implementação do Manejo Integrado e Adaptativo do Fogo – MIF. Essa concepção está sendo adotada pelo ICMBio e IBAMA para os cerrados no Brasil, no âmbito das iniciativas de adaptação e mitigação das mudanças climáticas, com apoio da cooperação Brasil – Alemanha, estando em uso em alguns Parques Nacionais e Terras Indígenas.

 

Estado/Região/Território: Maranhão/Região Nordeste

Municípios: Chapadinha

Referência da Comunidade:

Associação dos Agricultores da Chapada 1 e Conselheiro da Resex:  Francisco De Assis Ferreira da Silva – Fone: (98) 99189-2660

Associação dos Agricultores da Chapada 1 e Conselheiro da Resex: José Viana Sousa  – Fone: (98) 99191-9710

Associação do Povoado Chapada 2: José Alves de Sousa – Fone: (98)  99107-2808

Gestor da Resex Chapada Limpa: Mauricio Marcon Rebelo da Silva – Fone: 86.98143-5323 / 3321-1615 – mauricio-marcon.silva@icmbio.gov.br

 

Esta Comunidade do Alimento foi inserida na rede Slow Food pelo projeto:

 

logo projeto completa

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s