Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Organizam-se na forma da Cooperativa de Produtores Orgânicos e Biodinâmicos da Chapada Diamantina (COOPERBIO). A Comunidade está inserida em uma região com características favoráveis à produção de café, com altitudes entre 1000m e 1400m; assim, a cafeicultura é uma das principais atividades econômicas da região. Os agricultores familiares são os principais produtores que movimentam essa economia na região. As variedades de café antigas e o manejo tradicional tem conferido aos produtores especialmente em Catolés, um diferencial nos aromas e sabores desses cafés.

Em 2003, agricultores produtores de café orgânico, dos municípios de Abaíra, Piatã, e Seabra, se reuniram para, juntos, buscarem a certificação orgânica de seus produtos. Já em 2007, criaram a COOPERBIO, com o objetivo de realizarem a comercialização, tendo como principal produto o café arábica. Desde então, os cooperados têm se empenhado na produção de cafés especiais, com qualidade superior, com reconhecimento pela comunidade cafeeira no Brasil e no exterior.

Os cooperados produzem em sistemas orgânicos agroflorestais, onde há café, banana e árvores nativas convivendo no mesmo espaço, de forma a contribuir para um sistema biodiverso. As plantações de café existem há mais de cem anos, existindo variedades antigas como o café arábica da variedade “Typica” e “Catuí”, conhecido também como café nacional.

A técnica de produção e o manejo orgânico é com utilização de estercos de animais domésticos como galinha e vacas. Além desse adubo orgânico, faz-se, também, cobertura do solo, como a tradição do período em que o café chegou na região: cobertura morta com capim e ramos roçados em volta da chácara e depois levada para a lavoura e os pés de café. Mantendo, assim, o solo úmido e livre de mato ou ervas daninhas, por meio da agroecologia.

O café é o produto principal da região e da Comunidade por conta da sua importância como fonte de renda para os agricultores; além disso, o café é tratado como fruto e não como grão pelos agricultores. São feitas colheitas seletivas dos frutos maduros, secagem em terreiros cobertos e cimentados, e métodos de manejo dos grãos no terreiro para secagem uniforme. Outra características são os trabalhos em mutirão que, atualmente, precisam ser motivados pela maioria dos agricultores serem mais idosos, para que se preserve a cultura local, sua forma de cultivo, sua história de tipos de comercialização, principalmente pelo significado do café como economia, tradição e qualidade da bebida.

 

Estado/Região/Território: Bahia/Nordeste/Chapada da Diamantina

Municípios: Bahia Catolés de Cima: município de Abaíra; Malhada de Areia: município de Piatã; Lagoa da Boa Vista e Churé: município de Seabra.

Referência da Comunidade: Brígida Salgado, brigidasalgado@gmail.com, (31) 975741501 - cooperbio@cooperbio.com, cooperbio.biodinamico@gmail.com

Esta Comunidade do Alimento foi inserida na Rede Slow Food pelo projeto:

logo projeto parceiros

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s