Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

A Comunidade está organizada na forma da Associação das Catadoras e Catadores de Mangaba do Município de barra dos coqueiros (ACMBC) e do Movimento das Catadoras de Mangaba (MCM).

A Comunidade encontra-se, principalmente, no povoado de Capuã no Município de Barra dos Coqueiros, Sergipe. É uma comunidade tradicional e a mangaba representa importante fonte de renda para as famílias de catadores e catadoras, onde aproximadamente 50 famílias têm na produção da mangaba seu sustento. As experiências são transmitidas entre as gerações, a fim de proteger o saber da cultura local. O município de Barra dos Coqueiros tinha sua economia baseada na agricultura e no extrativismo. Nas últimas décadas a paisagem rural tem sofrido transformações com desmatamento decorrente do avanço de empreendimentos imobiliários. Para coletar a mangaba, os catadores e catadores precisam pagar para entrar nas áreas dos empreendimentos imobiliários que têm a fruta.

A produção da mangaba é extrativista, sendo realizada entre os meses de novembro a abril. Nesse período, as catadoras coletam os frutos que caem das árvores e o comercializam  para a indústria, feiras locais, além do consumo próprio. Essa fruta tem importante papel na composição da renda das famílias, se constituindo na principal fonte de renda nos meses de sua coleta. A coleta do fruto maduro é feito diretamente no chão, quando se desprende da árvore, o que indica ter atingido sua maturação.

A mangaba é uma fruta deliciosa e extremamente perecível, o seu consumo ou beneficiamento deve ser feito, no máximo, em 24 horas após a extração. A cultura local é consumi-la no período das férias escolares, in natura. Seu sabor remete à paisagem das regiões produtoras, que ficam repletas da fruta durante o período de produção.

Por ser produzida de modo extrativista, não há utilização de aditivos químicos às árvores,  salvaguardando a saúde da biodiversidade e dos consumidores. Ademais, não existe dano à árvore durante a colheita, pois a mangaba mais valorizada comercialmente é aquela que já caiu do pé, ou seja, é um produto que preserva a vida humana e o meio ambiente.

Nos meses de produção, a mangaba representa a principal fonte de renda das famílias catadoras, garantindo melhor condição de vida a essas pessoas, que em sua grande maioria, sobrevivem o resto do ano dos produtos feitos a partir do seu beneficiamento. Além da tradição do consumo in natura, a fruta também é  beneficiada na forma de geleias, compotas, balas, licor e biscoitos.

As catadoras e catadores se organizaram com a finalidade de garantir condições de trabalho mais apropriadas e relações comerciais equilibradas. Essa organização da produção e beneficiamento é importante para as famílias envolvidas na cadeia produtiva, pois permite aumentar a renda e a continuidade da sua extração. Há a consciência da prática de um preço justo para quem produz e quem consome.  

 

Estado/Região/Território: Sergipe/Região Nordeste

Municípios: Barra dos Coqueiros

Referência da Comunidade: Silvana Correia dos Santos, (79) 998262806 e Patricia Santos de Jesus, (79) 99484665 - acmbc.se@gmail.com

Esta Comunidade do Alimento foi atualizada pelo projeto:

 Logo Novo Projeto site copy

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s