Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

A Comunidade está organizada na forma de associação conforme: Tanque do Piauí - Grupo do Caju Sabor da Chapada Grande; Serra do Gavião - Grupo de Trabalhadores e Trabalhadoras da Comunidade Serra do Gavião e São José dos Cocos - Associação de Moradores de São José dos Cocos que somam 64 produtores.

Tanque do Piauí é um pequeno município localizado no sudeste do estado do Piauí. Está localizado na microrregião de picos, inserido em um clima propício para o cultivo do caju. Devido a abundância e exploração desse fruto, a comunidade se organizou sob a forma de associação, a fim de aperfeiçoar a produção e compartilhar conhecimentos. Já a comunidade Serra do Gavião, promove uma feira duas vezes por mês, onde os produtores comercializam além da cajuína outros produtos oriundos da agricultura familiar. A Cajuína dos Amigos (nome comercial) abastece os restaurantes, bares e estabelecimentos comerciais de toda a região, sendo comercializado por cerca de 40 reais (embalagem com 12 unidades). Nessa comunidade, além de ser ingerida como bebida refrescante, a cajuína é empregada em deliciosas receitas pela Sra. Maria Isabel, que a utiliza como ingrediente em estrogonofe, bife e delícia de caju, uma sobremesa típica do nordeste. Ademais, é onde se realiza na comunidade a festa da cajuína.

O grupo produtor de cajuína na Comunidade São José dos Cocos surgiu a partir de um curso oferecido pelo SEBRAE, que tinha por finalidade oferecer treinamento sobre o beneficiamento do caju. Após o curso, a comunidade se organizou em associação e passou a trabalhar com outras frutas além do cajú, como o cajá, goiaba e umbu. Esses produtos são comercializados na própria comunidade, além dos programas governamentais.

A cajuína é produzida a partir do fruto do cajueiro, separando do fruto o tanino (substância que atribui sabor adstringente ao suco), através do processo de clarificação, em que o suco obtido é coado várias vezes. Após a clarificação do suco, este é levado ao fogo em banho maria em recipiente de vidro esterilizado (embalagem para a comercialização), para a cristalização dos açúcares. Depois da fervura, o recipiente é lacrado com tampa e está pronto para ser transportado e comercializado. O método de produção respeita as características naturais do cajueiro, uma vez que o fruto só é colhido quando está maduro,

A produção da cajuína é geralmente realizada por mulheres, sendo que em tempos passados, se dizia que uma mulher “prendada” deveria dominar as técnicas de produção. Por isso, o saber fazer da cajuína é um patrimônio imaterial que vem sendo transmitido de mãe para filha, e representa uma importante fonte de renda e trabalho para as pessoas envolvidas na produção. Também é feita por famílias em assentamentos e comunidades,  artesanalmente, sem utilização de tecnologias modernas na produção e com envolvimento direto entre produtor e produto.  Como a bebida tem sabor distinto em função do processo de produção adotado, no momento da sua venda cada família busca enaltecer essa singularidade para atrair o consumidor, cada garrafa de cajuína possui nuances distintos, sendo mais ou menos adocicada, olfativa e clarificada, dando ao produtor uma identidade própria.

A cajuína é a principal fonte de renda e subsistência de diversas famílias de comunidades no estado do Piauí, por isso é um alimento justo. A sua produção geralmente é feita no ambiente familiar, sem a presença de vínculo empregatício, e as condições de trabalho ficam à critério dos produtores. No entanto, é facultado o direito ao recolhimento de INSS, para assegurar os direitos previdenciários. As relações comerciais são simples, não há muitas ramificações nessa cadeia haja vista que o produto é comercializado em feiras locais, diretamente entre o produtor e o comprador, pode haver ou não intermediários na sua comercialização. A possibilidade de armazenar a cajuína, já que a principal matéria-prima é sazonal, permite disponibilizar a bebida durante todo o ano para o consumidor.

A cajuína é uma bebida que está vinculada à comunidade, paisagem, qualidade e prazer na alimentação, sendo uma bebida artesanal com identidade própria. Tal bebida está presente em todo território piauiense em função das inúmeras árvores do cajueiro, sendo um ícone da cultura regional. É uma bebida não alcoólica, saudável, rica em cálcio, antioxidantes feita a partir da fruta Caju, e que substitui o hábito por refrigerantes. Além disso, a cajuína artesanal possibilita ao nordestino o prazer em saborear alimentos e bebidas feitas localmente que valorizam o saber e a cultura nordestina.  Os piauienses consideram essa bebida como um importante patrimônio cultural.

 

Estado/Região/Território: Piauí/ Região Nordeste

Municípios: Tanque do Piauí e Teresina

Referência da Comunidade:  

Tanque do Piaui: Sr. Raemilton Rodrigues dos Santos, (89) 98808-3596 e (89) 3427-0095,  sabores@tanquedopiaui.com

Serra do Gavião: Sr. Francisco Costa, (86) 8826-7716, rosanassousaa@gmail.com

São José dos Côcos: Francisca de Deus do Nascimento Macedo, (89) 98821-7649,  nacimentomacedo10@hotmail.com

Esta Comunidade do Alimento foi incluída pelo projeto:

Logo Novo Projeto site copy

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s